AIRO - HOME
Acerder à área do utilizador
Estão 0 utilizadores online
Existem actualmente 0 entidades no directório

Login AIRO

Email:
Senha:
Registar utilizador Recuperar Password
Aceda aos serviços disponibilizados pela AIRO
Membro Fundador do C.E.O. 
Conselho Empresarial do Oeste
Manual do Empreendedorismo Social - Uma Abordagem sistemática
Empreendedorismo
INTRODUÇÃO 
O “Manual de Empreendedorismo Social uma abordagem sistémica” é um manual cujo propósito passa não só por dar a conhecer um vasto conjunto de oportunidades de negócios em distintas áreas como incentivar os inscritos no IEFP (1º emprego ou desempregados) a criarem o seu próprio emprego. É com elevada convicção que os autores do presente manual (docentes IPLeiria) consideram esta ferramenta uma importante alavanca para a criação e desenvolvimento de potenciais empreendedores.

Nuno Mangas (Presidente do IPLeiria), refere que o empreendedorismo social é um conjunto de técnicas e procedimentos que podem ajudar a implementar ideias. Ao ser ensinado, sabe-se que são disponibilizadas para as pessoas um conjunto de ferramentas que lhes permite passar dos sonhos para ações. 

Ana Maria Pacheco (Presidente da AIRO), o empreendedorismo social é uma questão de atitude, incompatível com egoísmo e desperdício de conhecimento das pessoas, muito pelo contrário, a impecabilidade e transparência são atividades fundamentais no empreendedorismo social.
Luís Filipe Costa (Presidente do IAPMEI), é o momento certo de “olhar para mais longe” e apostar na promoção do empreendedorismo e inovação.

1. Conceito do Empreendedorismo Social
Maria Leopoldina Alves, de uma forma mais restrita, o empreendedorismo social reporta-se à aplicação prática de abrangentes conhecimentos e competências do mercado tradicional em áreas de negócios sem fins lucrativos (Reis, 1999). Um fator muito comum é o facto das atividades de empreendedorismo social serem caracterizadas pela inovação, ao invés de simplesmente replicarem negócios ou praticas já existentes (Noruzi, 2010). 

Sempre existiram empreendedores sociais, ainda que nunca tivessem sido entendidos como tal (Dees, 1998). O mesmo sucede com as iniciativas que utilizam o empreendedorismo para a resolução de problemas sociais. O empreendedorismo social em Portugal não é um conceito novo ainda que mais influente a partir dos anos 90 (Quintão, 2004). No entanto, só a partir de 2000, é que o empreendedorismo social começou a ganhar maior relevância e impacto na sociedade portuguesa.

O IES - Instituto de Empreendedorismo Social, fundado em 2008 em Portugal, tem como objetivo o incentivo e resolução, de forma inovadora, dos problemas sociais recorrendo a princípios de sustentabilidade. Este conjunto de ferramentas deverão ser replicadas noutros contextos para maior impacto social (Forjaz, 2010).

São empreendedores sociais os indivíduos ou organização que não só possuem uma missão social como contribuem para o crescimento económico do país. São extraordinariamente visionários e projetam inspirar a sociedade com ideias e oportunidades de negócio de carater inovador. São ainda capazes de transformar ideias de negócio já existentes em negócios inovadores.
Segundo Ashoka, (2000), “os empreendedores sociais não se contentam apenas em dar peixe ou a ensinar a pescar, eles não descansam enquanto não revolucionarem a indústria da pesca”.

De uma forma geral, pelas características do empreendedorismo social, o empreendedor social aparece sempre onde exista um problema ou uma necessidade social.

2. Empreendedorismo social em Portugal
Victoria Sirghi Dumitru, são vários os estudos que refletem a evolução dos empreendedores sociais em Portugal. Em 2005, o Insead, escola com formação em empreendedorismo social (The Business School of the Word), recebeu 200 alunos estrangeiros, dos quais 10 eram portugueses. 
O estudo Global Entrepreneurship Monitor, que para o efeito considerou vários países da União Europeia, analisou a relação entre o empreendedorismo e crescimento económico e apurou ter havido um aumento da TAE (Taxa de Atividade Empreendedora) em Portugal relativamente a outros países. Em 2004 Portugal estava posicionado na 13ª posição com 4% da TAE. Em 2007 a referida taxa era de 8% o que remetia Portugal para a melhor posição dos 18 países participantes no estudo (Caires, 2008). Como é usual na maioria das situações o lucro é o grande pilar de grande parte dos negócios, contudo no caso do empreendedorismo social a sustentabilidade fundamenta-se em parcerias. As parcerias são o "segredo" para manter os negócios economicamente sustentáveis (Martins, 2011). 

3. Empreendedorismo social e a globalização
Márcio Continentino Lopes, as profundas modificações sociais e económicas impostas pelas forças dinâmicas da globalização, exigem novas e contínuas respostas por parte dos Estados, das organizações e das pessoas em geral. O mundo global é um mundo transformista e, nesse sentido, uma fonte contínua de novas oportunidades, sobretudo no domínio da criação de valor social. O aumento do IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), de 41,7% entre 1970 e 2010, fez com que o progresso das sociedades seja avaliado sob três aspetos: viver uma vida longa e saudável, obter educação e conhecimento, e desfrutar de um padrão de vida digno. Contudo, existem ainda enormes falhas, que por outro lado são potenciais oportunidades para o empreendedorismo social a nível global. Conforme os dados do ILO ( International Labour Organization) e FAO ( Food and Agriculture Organization of the United Nations) a nível global existem 200 milhões de desempregados, 900 milhões que vivem com menos de 2$/dia e conforme os dados FAO, entre 2006 e 2008 existiam 850 milhões a sofrerem de desnutrição/fome. São estes tipos de exemplos que podem servir como oportunidades de negócios para o empreendedorismo social.

O empreendedor social, através da sua ação inovadora em modelos organizacionais, tornou-se um agente crucial para a adoção de respostas criativas. A sua ação, a capitalização de oportunidades à escala local ou global, tem sido determinante para a formação de modelos sociais sustentados e equilibrados.

4. Prospetiva do Empreendedorismo
 
José Luís de Almeida Silva, o empreendedorismo social desempenha um papel fundamental na sociedade, com especial enfoque no setor social, dado que preenche um vazio e dá suporte á procura crescente nesta área da economia não mercantil. 

É importante alertar os futuros empreendedores sociais, que querem avançar com a criação de uma empresa no setor social é crítico não perder de vista a importância da Inovação e Criatividade, especialmente numa sociedade em que a procura destes serviços aumenta face às tendências, portanto deve-se sintetizar: 
- O envelhecimento da população e desequilíbrio nas prestações sociais;

A urbanização da população e a crescente instabilidade social;

Aumento dos riscos multipolares e ausência de entidades e processos de regulação e controlo a nível global;

Emergência de novas formas de emprego (flexibilidade do trabalho e predomínio da atipicidade no emprego).
Sempre que alguém deseje criar e desenvolver uma empresa no setor social deverá considerar não só as dificuldades inerentes à instabilidade dos mercados como a enorme volatilidade resultante das instáveis tendências da procura.

Um estudo apresentado pela consultora Intuit Future Of Small Business Report, em 2007, elaborado nos Estados Unidos, refere que os principais empreendedores no horizonte de 2017 serão:
Profissionais oriundos de atividades empresariais por conta de outrem;

Estudantes das escolas onde é ministrada formação em "Empreendedorismo";

Imigrantes qualificados;
Pessoas, especialmente mulheres, que desenvolvem atividades a tempo parcial;

Pessoas, especialmente mulheres, que trabalham no domicílio através da Internet (teletrabalho).

4.1. Oportunidades de negócios no Turismo e Tecnologias do Mar 
Nuno Almeida, refere que o empreendedorismo social apresenta-se como agente de intervenção no combate ao desemprego e na requalificação de saberes e competências para a valorização das populações locais, quer em termos culturais quer em termos económicos.
Quanto ao turismo, cujas atividades contribuem para o crescimento da economia portuguesa, são vários os fatores que se apresentam como futuras oportunidades de negócios, entre quais:
Diferenciação turística - quer ao nível de oferta quer ao nível da procura;

Turismo acessível - tratando-se de uma ramificação do turismo que deixará algo a desejar no que concerne ao lucro;

Turismo sustentável - tem vindo a assumir maior e crescente importância para as populações locais envolvendo o empreendedorismo social;

Produção de serviços adaptados às necessidades da procura turística - com a inclusão da população local;

Atividades da evolução tecnológica - como os moleiros e descendentes, agora convidados a recuperar os seus projetos empresariais em vertente de cariz lúdico e turístico.

Vindimas - atualmente em muitas regiões é uma atividade assumida como produto turístico, envolvendo a participação dos turistas nos processos de produção e vindima.

Relativamente ao Atlântico importa realçar a crescente diminuição da empregabilidade na fileira do mar pois é um sector que tem sucumbido á reestruturação (diminuição) da frota e indústria pesqueira.

Torna-se necessário a requalificação dos recursos humanos que poderá passar pela reconversão das atividades, anteriormente centradas na pesca, criando serviços de passeios marítimos - turísticos.

A ESTM (Escola Superior de Turismo e tecnologia do Mar) no decurso de um trabalho de investigação, produzido pelos alunos e investigadores, encontra-se a desenvolver um projeto de captura em mar (sem recurso ás típicas redes de pesca) que permite não só maior segurança nas atividade piscatórias como se entende com maior sustentabilidade para as atividades de captura de pescado;

As esposas dos pescadores ocupando-se com atividades tais como as rendas de bilros, tradição perpetuada de geração em geração, produzem não só um bem com interesse para os turistas como perpetuam um produto com características culturais e identidade local.

4.2. Oportunidades de negócio na Saúde
Baltazar Monteiro, empreendedorismo social na área de saúde apresenta duas importantes vertentes, os cuidados domiciliários e a produção de medicamentos. São muitas as características e nalguns casos até semelhanças entre a saúde e outros setores sociais, com especial importância para o empreendedorismo social. Esta proximidade apresenta especiais contornos no que diz respeito á criação de redes ou capital social, como exemplos:
Os empreendedores sociais da saúde pretendem lidar com aspetos complexos da vida social (cuidados domiciliários) e que não podem ser resolvidos sem a intervenção de múltiplos parceiros;

Todas as organizações de empreendedorismo social têm como objetivo o impacto social e não apenas impactos organizacionais. O modelo de internamento que segue o modelo iniciado e desenvolvido em 1986 demonstra o resultado destas políticas, se por um lado se tenta (sem sucesso) controlar os gastos com saúde por outro lado negligencia-se o bem-estar das populações, dado que se abandonam os doentes à caridade e aos familiares, sem que se evidencie qualquer resposta social;

As organizações sociais tendem a dispersar os modos de governação e atribuição de responsabilidades. As organizações sociais deverão assumir as responsabilidades pelas iniciativas sem recear avaliações ou ideias divergentes;

As organizações sociais têm como grande objetivo criar valor, este valor nem sempre é mensurável de imediato, pois os resultados das ideias e intervenções na saúde visam resultados de médio e longo prazo e por vezes não são fáceis de mensurar.
As organizações sociais apoiam-se no conhecimento subentendido na ação de peritos, mas também na confiança das relações interpessoais e interinstitucionais orientadas para o impacto social pretendido. A questão da saúde é colaborativa e participativa no que concerne á partilha de recursos e objetivos. 

São vários os exemplos de empreendedorismo social no setor de saúde que podem ser fonte inspiratória para os futuros empreendedores socias nesta área.
1) O telecare e o teleheath são alvo de forte investimento por parte da União Europeia, pois são ferramentas que permitem em tempo real obter dados vitais (temperatura, tensão arterial, pulso e traçado eletrocardiográfico) dos doentes que estão nas suas residências. As referidas ferramentas permitem ainda, com base na referida informação, detetar casos de urgência e encaminhar os respetivos doentes para os Serviços de Saúde. Estes dados com fácil acesso serão acondicionados em processos clínicos informatizados que estarão disponíveis em qualquer parte da Europa onde o doente e/ou o médico podem aceder e dar continuidade aos tratamentos. 

2)
Nomeadamente a criação de programas interativos que permitirão que os doentes cumpram programas de reabilitação nas suas próprias residências, obtenham informação necessária à concretização de processos terapêuticos remetendo a assistência para a utilização de controlo remoto por parte dos profissionais de saúde.

Uma outra preocupação da sociedade, remete para o acesso aos medicamentos. Os preços praticados pelos retalhistas que ao manterem as situações de monopólio de venda de medicamentos não só dificultam a livre concorrência como prejudicam os cidadãos. A pandemia da Sida colocou em evidência uma cruel ironia, os países com maiores necessidades de fármacos para o combate ao HIV são os que apresentam menor capacidade para o acesso aqueles medicamentos. 

Qual é o papel do empreendedorismo social nesta área?
- A intervenção na venda de medicamentos pode influenciar o mercado em dois sentidos: "Melhorando o preço final" e "Melhorar o comportamento dos restantes intervenientes".

Sempre que existe uma falha por parte do Estado, significa em muitos casos a oportunidade para a intervenção de instituições sociais. Por outro lado e dado que as empresas sociais não distribuem lucros pelos capitalistas/acionistas, não existe a necessidade de praticar grandes margens.
Uma menor atenção tem sido dada à ação reguladora dos mercados, que também poderá ser feita através das intervenções sociais nesta área. A "competência benéfica" sendo este um dos efeitos na qual a ação das empresas sociais podem influenciar o comportamento das empresas comerciais, sendo este um dos efeitos regulados, uma vez que afeta a estrutura dos incentivos e os lucros.

4.3. Oportunidades de negócio no Design e nas Artes: Formas criativas de enfrentar a mudança
José Luís da Silva e Isabel Barreto Fernandes, "O Design é um processo estruturado, que transforma ideias criativas em produtos concretos, serviços e sistemas, fazendo a ligação da criatividade com a inovação. Como parte do processo, o Design tem potencial para contribuir substancialmente na melhoria da imagem de marca, das vendas e da rentabilidade de uma empresa…"

"O Design é uma ferramenta e serve para conceber e desenvolver um novo produto, sendo ainda um serviço ou um sistema que garante a melhor interface com as necessidades, expectativas e capacidades do utilizador, considerando os demais aspetos relacionados a sustentabilidade económica, social e ambiental" (Comissão Europeia 2009) "

Duas óticas podem ser assumidas; do lado da oferta o empreendedorismo social, enquanto criação de pequenas e micro indústrias criativas, nas mais variadas áreas, que permitam aos seus autores resolverem autonomamente a sua empregabilidade mantendo-se ligados a atividades motivadoras e com bons resultados económicos e sociais. Quanto á procura, abrindo ou reforçando novos mercados na área social, responde de forma inovadora às oportunidades e necessidades lançadas por um público carente de novas formas de expressão artística e criativa.
No primeiro caso trata-se de fornecer aos criativos e demais artistas informação e técnicas para que organizem as suas atividades sem fins lucrativos e que se possam bater por princípios de sustentabilidade económico e social. No segundo caso, permitir aos futuros empresários criativos oferecer os seus serviços á teia de organizações e instituições que cuidam do mundo social.

O Design cria impacto sobre muitos aspetos quer pelos produtos e artefactos produzidos quer pela comunicação, produção, entretenimento, estratégias de negócio e políticas de serviços. Comparativamente a outros, o Design é elemento chave para mudança pois não só facilita a formação como gera o conhecimento e a criação de ideias. 

4.4. Oportunidades de negócio nas Engenharia 
Manuel Portugal e Dora Rodrigues, referem que o empreendedor social é um individuo ou organização que identifica um problema social ou uma oportunidade e, tal como de uma empresa privada se tratasse, procura os meios necessários para o resolver. 

Em Portugal esta forma está ainda na sua fase inicial sendo necessário formar mentalidades e sensibilidades. É essencial que o empreendedorismo social seja rentável e que se distingue do empreendedorismo tradicional, quer pelo atividades quer pelas necessidades que aborda.

O empreendedorismo social no contexto das engenharias envolve iniciativas de empreendedorismo social numa vertente mais tecnológica. O público-alvo no empreendedorismo social pode ser os indivíduos economicamente mais desfavorecidos, os idosos, as crianças, os deficientes ou a preservação do ambiente. Com o recurso a soluções tecnológicas as empresas podem ser financeiramente viáveis e assim contribuir para resolver diferentes problemas das populações.

Como procurar oportunidades para o empreendedorismo social e que o papel das tecnologias e engenharias seja preponderante?
Pesquisas internet ou viajar ao estrangeiro e analisar as melhores práticas em outros países, perceber como outros empreendedores socias fazem, chamado também como benchmarking. As tecnologias de comunicação e informação hoje em dia tem um papel fundamental na aproximação dos povos, locais e principalmente torna muito mais fácil conhecer as necessidades sociais das populações. 

No domínio agrícola as iniciativas passam pela introdução de novos cultivos, novos e sustentáveis sistemas de rega a par de novos conceitos/modelos de comercialização dos produtos;

A aplicação de soluções tecnológicas, sem menosprezar toda informação relativamente à mudança de hábitos e comportamentos das populações locais, permitirá aumentar a produção alimentar contribuindo para a melhoria das condições de vida da população. Apresentamos de seguida, alguns casos de sucesso com base nas engenharias:

1)
O projeto "4 Leituras" (livros lançados pela Editora Cercica) permite que as crianças pudessem aceder a livros e à leitura destes independentemente da sua capacidade individual. O projeto envolve a publicação de livros em quatro versões gráficas distintas: áudio, linguagem gestual, formato daisy e Braille.

2)
O projeto " Telealarme" criado em 2000, visa apoiar os idosos que vivem sozinhos fornecendo-lhes equipamentos que permitem fazer chamadas de urgência para um telefone pré-definido (de um filho, vizinho ou serviço de apoio). O equipamento garante condições de segurança principalmente para os portadores de Alzeihmer.

3)
Parque Temático Energias Renováveis, projeto desenvolvido em parceria com a Camara Municipal de Loures e CCT Expresso, encontra-se em funcionamento desde 2009. Este projeto permite a recuperação do património local e aproveitar diferentes fontes de energias sustentáveis (eólica, solar, biomassa e hídrica) reduzindo a pegada ecológica do carbono e preservar os recursos do planeta.

4)
O projeto "Gotocampus" promovido pelo IPL- Instituto Politécnico de Leiria é um exemplo de abordagem ambiental, de transito e estacionamento, de poupança e de eficiência energética. Com o propósito de incentivar a partilha do automóvel com vários professores e estudantes (dos cursos de Engenharia Civil, Ambiente e Informática da Escola Superior de Tecnologia e Gestão), desenvolveram uma ferramenta Web numa plataforma que funciona como rede social e serve também como ponto de encontro para alunos, docentes e funcionários.

5)
O projeto "Conserve Índia", onde a cidade de Nova Deli na Índia produz cerca de quatro mil toneladas de lixo por dia, dos quais 15% são matérias de plástico, este projeto pode garantir uma interessante forma alternativa de subsistência para aqueles que se dedicam à recolha de resíduos sólidos (lixo). Neste projeto os participantes podem criar produtos comercialmente bem-sucedidos a partir de resíduos de plásticos de materiais duráveis como os guarda-chuvas, malas, material escolar de escritório.

Os exemplos enunciados são alguns dos muitos que começam a despontar em Portugal e no estrangeiro, são exemplos de soluções de empreendedorismo social com forte pendor tecnológico. Por defeito grande parte dos problemas sociais poderão encontrar uma resposta, nem que seja parcial, num dado "negócio" de cariz social. Muitos são os exemplos, onde as necessidades estão longe de satisfeitas, em que o empreendedorismo social dá resposta, tais como doenças e outras debilidades físicas e mentais, marginalidade, analfabetismo e deficiências nas qualificações dos indivíduos. São muitos os casos de famílias com filhos portadores de deficiências, abandono de idosos, e até famílias que não encontram respostas nas instituições sociais existentes. Nos dias que correm é comum a existência de indivíduos sem oportunidades de trabalho com profundas carências alimentares, residências sem redes de comunicação, sem água potável, sem eletricidade e muitos são os casos até sem habitação. Todos estes problemas constituem-se como oportunidades para negócios de empreendedorismo social. 

Torna-se por isso muito importante entender o empreendedorismo social como uma importante ferramenta para o futuro quer dos jovens (com uma maior vertente no desenvolvimento de competências tecnológicas) quer dos seniores que legitimamente também procuram uma oportunidade no mercado de trabalho.

4.5. Oportunidades de negócio na Educação e Ciências Socias
Rui Matos e Tânia Santos, os níveis de empreendedorismo em Portugal são inferiores à média da União Europeia. As lacunas do empreendedorismo têm genericamente a ver com a forma como a sociedade se posiciona perante os riscos inerentes ao próprio empreendedorismo e gere os problemas educativos das famílias e do sistema de ensino, com especial enfoque nos primeiros anos de formação académica. Nesse sentido tem sido promovidos distintos projetos para o empreendedorismo e educação junto das crianças e jovens:

Projeto Nacional de Educação para o Empreendedorismo, desenvolvido pela Direção Geral para Inovação e Desenvolvimento Curricular entre 2006-2009. O objetivo passou por criar condições para que as escolas pudessem desenvolver um conjunto de iniciativas conducentes à criação de atitudes e competências empreendedoras;

Projeto "Do Something" reconhece e apoia jovens até aos 30 anos, alavanca o crescimento e incremento de projetos como agentes de mudança nas comunidades;

A organização Junior Achievement é a mais antiga organização mundial educativa sem fins lucrativos presente em mais de 120 países. Nasceu em 1919 nos Estados Unidos da América e tem como missão o desenvolvimento da capacidade empreendedora de crianças e jovens. Desenvolve o gosto pelo risco, criatividade, responsabilidade, iniciativa e inovação. Em setembro de 2005, entrou pela1ª vez nas salas de aulas portuguesas como o Alto Patrocínio da Presidência da República, conta com mais de 111.500 alunos e com a cooperação de mais de 5.400 voluntários.

O projeto "Ter Ideias para Mudar o Mundo" tem como objetivo desafiar a comunidade escolar e potenciar competências empreendedoras em crianças, com idades compreendidas entre os 3 e os 12 anos, estimulando aptidões para o empreendedorismo. Tal missão passa pela aquisição de competências para pensar, projetar, construir e partilhar conhecimentos promovendo o trabalho em equipa.

Empreendedorismo social na educação e nas Ciências sociais. Uma das maiores referências mundiais no empreendedorismo social reporta-se a Muhammad Yunus. Este empreendedor que ganhou o Premio Nobel em 2006 lançou a organização de micro-finance Grameen Bank no Bangladesh. Criou uma plataforma que contrariou a permanente recusa de empréstimos financeiros às populações pobres daqueles territórios. Em Portugal à semelhança do que acontece no mundo, as iniciativas tem vindo a multiplicar-se. Por exemplo, na Escola Superior de Educação e Ciências Socias, têm sido desenvolvidas várias iniciativas que se enquadram no âmbito do empreendedorismo social tais como:

A "Ludolândia" - ludoteca de praia, espaço lúdico, que promove a oportunidade das crianças brincarem e aprenderem na área da educação e da animação;

O programa "IPL 60+" - destinado à população sénior, desenvolve uma atitude proactiva de bem-estar geral e cumulativamente garante a relação entre gerações promovendo a oportunidade de adquirir novos conhecimentos e aceder ao ensino superior;

Projeto "Gerações" oferece aos estudantes a possibilidade de residirem na habitação de um sénior, este modelo contraria a solidão e o isolamento dos idosos e promove a solidariedade.

No entanto são inúmeras as áreas de âmbito social e educativo que ainda não se encontram satisfeitas, são assim múltiplas as oportunidades de negócio no empreendedorismo social que poderão ser desenvolvidas:
Cuidar de crianças em horário pós-laboral, dado que os pais trabalham até tarde;

Apostar na educação ambiental e na educação de crianças com especiais
necessidades;

Promover a reutilização de roupas e equipamentos de bebés (carrinhos de bebés, mobiliário, cadeiras de bebés para automóveis);

O desporto como forma de integração de crianças carenciadas;

Medidas de combate ao abandono escolar;

Atividades de ocupação dos tempos livres, prática desportiva e promoção do bem-estar físico e psicológico da população sénior;

Reutilização de equipamentos médicos especializados;

Promoção da compreensão e utilização das TIC, através de iniciativas de formação.

Este conjunto de iniciativas, ainda que desenvolvidas em parceria, deverá estar votado ao sucesso pois segundo dados INE (2011) o índice de dependência de idosos é superior a 27% constituindo-se como um mercado de dimensão assinalável. Em grande parte dos casos a sustentabilidades económica do empreendedorismo social decorre do desenvolvimento de parcerias entre organizações. 

5. Estratégias a aplicar para a sustentabilidade de um negócio
Nuno Reis e João Carvalho Santos, referem que todos os pequenos negócios precisam de estratégias e ferramentas para sobreviver e, talvez, crescer. Como futuros empreendedores teremos que saber qual o rumo a dar ao negócio, definir e quantificar os recursos que temos á disposição e fazer uma análise interna e externa relativamente às condições que nos rodeiam. Portanto o primeiro passo de pensar estrategicamente o negocio, é definir:

Para onde queremos ir, no longo prazo, como e o que queremos ser? e a resposta para esta questão será a visão da empresa, que por sua vez responderá a questões como "o que gostaríamos de mudar", "o que é importante para nós" ou "o que fazemos melhor", ainda que o fundamental seja pensar "como nos vemos ver no longo prazo?". Os objetivos de uma empresa devem ser específicos, claros e mensuráveis, tanto para empresa como para os funcionários, só assim se poderá avaliar se os mesmos foram cumpridos ou não, atingíveis, realistas e delimitados no tempo.

O que fazemos bem? Depois de definirmos o rumo para o negócio, é necessário uma avaliação dos recursos, o que exige muito trabalho, reflexão, ponderação e sobretudo grande realismo. Para além de recursos como tempo, local para instalações e algum dinheiro, será necessário conhecimentos específicos sobre como produzir e conhecimentos de gestão. Um outro recurso que requer muita atenção, recai sobre a rede de contactos, pois esse é o caminho para que o empreendedor possa formar parcerias com clientes, fornecedores e distribuidores. A criatividade é outro importante recurso, daí a necessidade de procurar diferentes formas de vender, criar relacionamento com os fornecedores e inovar no produto.

Todos estes recursos reúnem elevada criticidade para o sucesso dos negócios.

O que está a nossa volta? É uma questão fundamental para o empreendedor, ele tem de perceber o que está a sua volta. Um dos aspetos a analisar é o macroambiente, ou seja, todas as questões que influenciam as empresas de forma geral, assim como, fatores politico-legal, económicos, sociocultural, tecnológico e internacional que estão em constante mutação, como: as taxas de juros, legislação laboral, novas tecnologias etc. Dado que estas alterações significam oportunidades devem por isso merecer a melhor atenção. No entanto nem todo o sucesso ou fracasso se explica pelo que está em redor do ambiente empresarial. Para além da análise ao macroambiente, o empreendedor também deve fazer ama análise ao nível do microambiente, nomeadamente na relação com os clientes, fornecedores e concorrentes. No caso dos concorrentes deverá ainda proceder á sua identificação e caracterização e que atividades desenvolvem. Sem saber como responder a estas perguntas, o empreendedor virá a ter dificuldades no sucesso do seu negócio. 

Ser único! Uma empresa deve ser única para sobreviver, oferecer produtos e serviços que possam ir ao encontro das necessidades do seu público-alvo. Em pleno século XXI, não há lugar para empresas iguais ou que ofereçam os mesmos serviços ou produtos. O empreendedor tem de conseguir oferecer produtos, serviços, marcas e imagens diferentes, só assim poderá ter um produto/serviço destinto dos demais evitando competições pelo preço que poderia inclusive comprometer a sobrevivência do seu negócio.

6. Estratégia de Marketing para a sustentabilidade dos negócios
Alzira Maria Ascensão Marques, refere que para o planeamento estratégico e melhoria da qualidade de vida na sociedade, o empreendedor pode utilizar a metodologia 6 sigma. Este modelo passa por aplicar o conhecido método sistemático de análise de problemas e melhoria de processo: O Método DMAIC (Define, Measure, Analyze, Improve, Control). A partir da definição do problema social faz-se o levantamento da situação, medindo o desempenho, identificando as causas do problema e consequentemente a oportunidade de solução ou melhoria do desempenho. Esta oportunidade está na base do projeto de empreendedorismo social que quando implementado se pressupõe que seja avaliado e se definam os padrões de desempenho.

Apos o planeamento do projeto importa recorrer ao marketing para a promoção do empreendedor e do projeto. Para o efeito é recomendável a utilização do marketing pessoal e social que usando práticas de marketing relacional e viral promoverão não só a causa social como captarão e fidelizarão diferentes públicos-alvo.

Marketing pessoal para promover a carreira do empreendedor - o empreendedor deverá saber valorizar as suas qualidades pessoais, valores, sentido critico, visão social e ideias. É necessário investir na imagem, criar conteúdo intelectual e valorizar a causa social. A estratégia de marketing pessoal assenta também no desenvolvimento de contactos e relacionamentos importantes. Uma vez definida a estratégia de marketing pessoal, é altura de pensar no plano de comunicação para que o empreendedor se consiga autopromover. Neste caso é muito importante “vender” corretamente a sua imagem, nesse sentido importa ser competente para criar confiança, variável muito importante no mundo dos negócios. Quando o empreendedor faz um bom marketing pessoal promove a confiança e a causa social, criando assim um ambiente favorável que se traduzirá na captação de clientes, investidores, mecenas e patrocinadores entre outros.

Marketing social para promover a causa social - o objetivo é gerar mudanças para melhorar a qualidade de vida dos cidadãos. É por isso fundamental definir muito bem o público-alvo do projeto para que o público-alvo adira a um comportamento, alterando hábitos e passe a colaborar com a causa social, disponibilizando tempo, dinheiro e bens, comprando assim os produtos/serviços de caracter social. No marketing social, as pessoas mais do que comprar produtos/serviços, compram expectativas de benefícios. Para a elaboração da estratégia de marketing é necessário o desenvolvimento de um plano de marketing social, assim importa começar por especificar os elementos centrais, nomeadamente a causa social; o promotor da mudança (empreendedor); os segmentos-alvos e a estratégia de mudança.

Marketing viral como ferramenta ao serviço de marketing social - o marketing relacional e viral são ferramentas do marketing social. Para a promoção da causa social, são muitas vezes usadas campanhas de marketing viral (e-mail, SMS, MMS, YouTube, redes sociais), normalmente estas iniciativas têm como objetivo difundir estas campanhas junto de grupos de amigos e famílias. Os empreendedores sempre que possível deverão utilizar o marketing viral dado que é muito mais poderoso que uma mensagem publicitaria. O marketing viral combina a rapidez, economia e eficácia sem necessidade de grandes investimentos. Marketing viral é espalhar ideias como se de um vírus, biológico ou informático, se tratasse. Contudo requere muita atenção ao tipo de mensagem a transmitir, esta não poderá ser demasiado comprida, irritante, ou induzir falta de qualidade ao produto/serviço. Um mau produto/serviço jamais se transformará em algo com qualidade, mesmo que se invista rios de dinheiro em publicidade. 

7. Importância das novas tecnologias de informação e comunicação para a sustentabilidade dos negócios.
João Costa e Rui Rijo, referem que o avanço das TIC (Tecnologias de Informação e Comunicação) se constituem como um poderoso motor para a emergência de novas perspetivas de comunicação. As tecnologias de informação, com recurso a internet, permitem a difusão de forma simples, rápida e eficaz de conteúdos de alta qualidade. As ferramentas baseadas na Web removem a barreira da distância, permitindo o acesso à informação e a recursos ao nível mundial. O mundo digital chegou e está para ficar, as novas tecnologias estão presentes praticamente em todas as áreas de negócios. Atualmente as tecnologias são muito complexas, obrigando o constante reposicionamento no mercado, no entanto atualmente existem ferramentas de comunicação, disponíveis online, flexíveis e interativas, que permitem comunicar bidirecional e conhecer melhor o perfil dos consumidores. 

A ininterrupta e rápida atualização dos conteúdos é fator chave de sucesso e contribui para construção dos valores da marca quer na poupança de tempo como de dinheiro quer para as empresas quer para os clientes. As estratégias de comunicação online tendem cada vez mais a serem direcionadas para a captação de um determinado público-alvo. No entanto monitorizar e analisar a notoriedade online é indispensável, portanto:
Existem técnicas de Search Engine Optimization, que garantem o posicionamento nos motores de busca aumentando o número de visitas e de potenciais clientes;

Adesão a campanhas cost-per-click estratégia, que se bem concebida poderá reverter resultados proveitosos;

Existência de várias plataformas de partilha e publicação de conteúdo online.

Contudo para um melhor conhecimento dos clientes (identificar, antecipar e satisfazer as necessidades/expetativas), os meios digitais oferecem várias ferramentas online, entre outras a Web analytics que permite a antecipação das necessidades. È importante envolver o diálogo e recorrer a técnicas de perfis, cookies e filtragem colaborativa. Para administrar toda a informação proveniente de fontes distintas existem suportes tecnológicos que permitem gerir a relação com os clientes, ferramenta também conhecida como CRM (Customer Relationship Management).
Para adoção das TIC é importante identificar a tecnologia necessária, o que significa : Qual a visão que tenho para o meu negócio, qual a missão da minha empresa, qual estratégia. As respostas a estas questões permitirão saber onde estamos, para onde queremos ir e como fazer para lá chegar.

Saber desenvolver uma aplicação/sistema específico, ou adquirir uma solução comercial que permita a customização para a situação específica da realidade da organização. Custo associado à tecnologia adotar, será necessário não apenas avaliar os custos iniciais do investimento como os custos indiretos do investimento, é aqui que as organizações encontram maiores dificuldades dado que em muitos casos deparar-se-ão com custos que desconheciam. Esta situação remete para a importância das novas tecnologias dado que os custos com hardware e software representam normalmente apenas 20% de custos totais de uma solução.

Tendências para soluções empresarias "Cloud Computing" - oferta de recursos tais como servidores de espaço em disco, aplicações ou serviços específicos. Estes serviços encontram-se na cloud ("nuvem"), ou seja, são acedidos através de uma ligação em rede. Os utilizadores podem assim estipular os momentos e lugares onde pretendem aceder aos serviços pretendidos. Tipos de serviços oferecidos: 
1) Date as a Service(DaaS) - consiste na disponibilização de espaço em disco na nuvem;

2) Infrastruture as a Service(IaaS) - disponibilização de recursos virtuais como, memoria e capacidade de processamento; 

3) Software as a Service (SaaS) - utilização de software por aceso remoto, sem necessidade de localmente instalar máquinas;

4) Plataforme as a Service (PaaS) - utilização de plataformas de desenvolvimento na "nuvem", sem necessidade de instalação local.
Estas são assim interessantes hipóteses para a satisfação das necessidades em tecnologia digital ferramenta essencial a todos os negócios.

8. Conclusão
Mário Carvalho, refere que o empreendedorismo social é uma ferramenta de enorme transversalidade que não só cruza campos tão distintos como a preservação ambiental a criação de valor nas empresas e a criação de oportunidades para jovens e desempregados como é a expressão sócio económica que melhor responde aos problemas das sociedades. No entanto para poder ambicionar extensa sustentabilidade terá que adotar ferramentas de gestão não só atuais como especialmente competitivas.

Os empreendedores são indivíduos que se caracterizam por conceberem novos produtos e serviços, introduzirem novos modelos de produção, desenvolverem novos mercados, descobrirem novas fontes de matérias-primas e definitivamente estabelecerem novos modelos de organização. Existem múltiplos e interessantes casos estudo que apontam o empreendedorismo social como solução para distintos problemas de cariz social, contudo para que o modelo funcione é fundamental privilegiar o empreendedorismo replicando saberes, conceitos e estratégias visando a requalificação de competências.

As hortas urbanas é um recente exemplo de empreendedorismo social que teve a sua origem nos países do norte da Europa na segunda metade do seculo XIX. Este exemplo de empreendedorismo tem sido também um sucesso em grandes cidades como Los Angeles, Chicago, Londres e Sampetersburgo. Em Portugal as grandes metrópoles como Lisboa, Porto, Coimbra, apresentam inúmeros projetos de hortas urbanas com a agricultura biológica assumir especial destaque. 

As hortas urbanas são uma excelente estratégia não apenas para equilibrar as finanças das famílias como para ajudar a contrariar a atual dependência de alimentos importados. Para além de aumentarem a possibilidade de os empreendedores criarem o seu próprio emprego podem também entender esta atividade como uma excelente ferramenta para a resolução de situações de stress.

A competitividade das organizações decorre da capacidade para estimular e valorizar as relações com os territórios, contratando pessoas, serviços e matérias-primas localmente. O recrutamento de filhos da terra não só induz mais-valias nas operações como representa um acréscimo de cumplicidade entre as partes e subsequentemente um aumento da competitividade das empresas.

Na generalidade, existem interessantes e múltiplos casos estudo que apontam o Empreendedorismo Social como solução para inúmeros problemas de cariz social, contudo e para que o modelo funcione é fundamental privilegiar o empreendedorismo replicando saberes, conceitos e estratégias, requalificando competências para alcançar a ambicionada sustentabilidade.

O "Manual de Empreendedorismo Social uma abordagem sistémica" caracteriza não só o empreendedorismo social como remete os leitores para um conjunto de ideias e oportunidades de negócio que provavelmente estimulará o empreendedorismo. Este manual tem ainda como objetivo provocar um estimulo ao desenvolvimento de um plano de negócio criando emprego e contribuindo para uma sociedade mais equitativa e mais sustentável.

Nota: Para um enquadramento mais desenvolvido aconselha-se o recurso ao "Manual Empreendedorismo Social uma abordagem sistemática" disponível nos diferentes Centros Incubadores, Parques Científicos e Tecnológicos e Centros de Emprego da Região Centro.


Manual Resumido
Manual de Empreendedorismo Social
Manual de Empreendedorismo Social uma abordagem sistémica